Profissão docente. Coisa prá poucos, muito poucos.

Como diz Gilberto Dimenstein, em sua coluna hoje na Folha de São Paulo, não é de se admirar que muitas vagas nos cursos  de Pedagogia e das licenciaturas não sejam preenchidas. O cenário da educação brasileira, notadamente a pública, não anima jovens a seguirem a carreira de professor.  Ainda assim, o MEC insiste em licenciaturas a distância, oferecendo milhares de vagas – como se falta de vaga fosse a razão da falta de professores em salas de aula – ainda que especialistas reprovem essa formação. Com uma ou outra exceção – claro, sempre há exceções – a profissão docente acabará sendo o caminho quando nenhum outro mais restar. E daí vem novo problema, uma ameaça à qualidade educacional que se busca, ao menos no discurso: os futuros professores acabam sendo recrutados dentre alunos com piores notas na Educação Básica, em sua maioria absoluta egressos da escola pública, a da progressão/promoção automática. Portanto não cabe surpresa alguma quando quase metade dos professores é reprovada [por não alcançar apenas 50%, não os 60% de rendimento usualmente exigidos na maioria das escolas] em uma prova que versou sobre os conteúdos que deverão [sim, alguns estarão em salas de aula, ameaça a Secretaria de Educação de São Paulo] ensinar. Uma pesquisa idealizada pela Fundação Victor Civita e realizada pela Fundação Carlos Chagas junto a concluintes do Ensino Médio mostra como a carreira do magistério em nada atrai os futuros alunos do ensino superior; apenas 2% deles querem ser professores. Quando se oolha para os alunos das escolas particulares, a “nata”, esse índice chega a praticamente zero. É interessante ver, na pesquisa, que um terço dos alunos pensou em ser professor. Mas logo, logo desistiram, antes mesmo do vestibular. Os motivos? Falta da valorização profissional, salários baixos e rotina desgastante. Assim, decidem ser advogados, médicos e engenheiros. É o Brasil Colônia que se mantém. Distante do tempo em que seremos de fato uma nação para se orgulhar. Isso acontecerá no dia em que novamente perguntarem a  jovens o que querem ser quando crescerem e uma boa parte deles, quem sabe a maioria, disser orgulhosamente: Professor.

A versão preliminar da pesquisa “Atratividade da carreira docente no Brasil” está disponível on-line. Basta clicar aqui para ter o documento em arquivo PDF.

As  imagem são do blog”Crescer dá trabalho” e do UOl/História Viva

Anúncios

2 Respostas to “Profissão docente. Coisa prá poucos, muito poucos.”

  1. Marcia Says:

    Concordo que alguns professores estão despreparados, mas também quem tem dinheiro para se preparar com um salrio destes e temos o PSDB afirmando que o piso salarial de un professor esta muito bom.hoje em dia todos pensam que qualquer um pode ser professor, mas se esquecem da preparação, didática e outras coisas que são importantes para profissão.Nem todos podem exercer a medicina e outras profissões porque são mais valorizadas.Os pais são os maiores responsáveis pela baixo aproveitamento dos alunos, eles pensam que a escola vai prover educação para os filhos deles, mas respeito ao próximo, noção de espaço se começa de casa.Os alunos não respeitam mais os professores, gritam em sala de forma desrespeitosa porque sabem que vão ficar impunes, e que o professor tem que aprova-los devido a essa progressão continuada tão defendida pelo nosso novo governador.Sou professora e fico horrorizada com o que vejo nas salas e olha que não estou em contato com essas pessoas todos os dias, se estivesse ficaria louca,tenho uma formação muito boa e posso melhorar mais, mas nesta profissão tão desmoralizada as vezes nem o maor por ela resiste.
    obrtigada!

    • marinhos Says:

      Em uma realidade na qual as (ir)responsabilidades são muitas, me parece perigoso culpar os pais pelos fracasso na escola. Culpados de fato seriam se não levassem seus filhos para lá.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: