Educação e eleição

A cada dois anos o povo brasileiro ouve, de novo. as “novas” promessas que farão do nosso país a Terra Prometida. Todos os nossos problemas serão resolvidos, sem exceção. Teremos saúde, segurança pública, aposentadoria digna, os salários mais justos da face da Terra. Alguns chegam a nos prometer que não mais teremos patrões. E, claro, teremos a melhor educação do mundo.

Ainda não encontrei um só candidato, a qualquer cargo eletivo que seja, que não trouxesse uma única promessa para a melhoria da nossa educação, para a redenção de nossas escolas públicas. Todos estão comprometidos com elas. Na verdade, todos estão comprometidos com todos.

De quatro em quatro anos a educação será redimida. E entre as promessas de hoje e as que nos serão feitas na próxima eleição,  a nossa educação pública claudicará.

Na última quarta-feira, barbeando-me, liguei o rádio que tenho no banheiro. Era a única coisa que, por não ser multitarefa, eu poderia fazer naquele momento, além do leve e calmo escanhoar.

Me deparei com o horário eleitoral, gratuito mas que tanto custa ao contribuinte brasileiro. Foi a primeira experiência de ouvi-lo nessa atual campanha eleitoral. Ando, propositadamente, desligado dela.

Na propaganda, o atual prefeito, candidato à reeleição, vangloriava-se de ter acabado com o projeto da escola pública que vigorava há alguns anos, implantado que fora por aquele que agora é seu [principal] concorrente na eleição. Muitos desses anos em que o modelo da educação do rival foi mantido são exatamente aqueles em que os correligionários do atual prefeito e os até ontem seus  coligados ocuparam a prefeitura.

E, claro, já que se trata de campanha eleitoral, o candidato à reeleição nos antecipava uma nova escola, muito melhor, para o tempo futuro.

Um pouco depois, veio a propaganda de um ex-prefeito, que legitimamente procura ocupar de novo esse cargo tão importante.

Coincidentemente o ex-prefeito falou de educação. Mais, destacou a baixa qualidade da atual educação pública municipal e da necessidade de mudanças. A educação pública, disse ele, é um dos grandes problemas da cidade.

Briga de palavras, de ideias, de referenciais com um só propósito: desqualificar o outro para angariar  a simpatias dos eleitores e seus votos. Entendo, ainda que lamente; é do jogo.

O mais interessante – e o que não entendo – é que nos últimos quatro anos, o partido desse ex-prefeito foi coligado com o daquele que busca a reeleição. Os companheiros de partido do ex-prefeito ocupavam até pouco tempo atrás os postos-chave da Secretaria Municipal de Educação, incluindo o importante cargo de secretário. Só se demitiram – mas pode ser que ainda reste algum lá – depois que o seu partido resolveu não manter a coligação e lançar um candidato próprio.

Se entendi bem, os companheiros de partido do ex-prefeito ajudaram o atual a acabar com o projeto da escola criado na sua gestão. E no seu lugar colocaram um novo que, nos assegura o ex-prefeito, não melhorou a educação.

Essa situação revelou uma das razões pelas quais não daremos conta de resolver os seríssimos problemas da educação pública no Brasil. A cada quatro anos, oito no máximo, um novo projeto, uma nova proposta é lançada.

E parece que é ponto de honra desconhecer tudo o que vinha sendo feito, até mesmo por correligionários ou aliados políticos.

Tudo é começado como se nada houvesse antes. É tudo como “nunca antes na história desse país”. Em síntese, a cada quatro anos, oito no máximo,  a educação tem que mudar, porque só o novo ocupante do cargo pode dar qualidade a ela. Tudo o que foi feito antes de nada valeu, nada sobrou a não ser os resultados pífios registrados nos exames nacionais.

Tratam a educação como se fosse uma cultura de hortaliças, coisa para o tempo curto, ao invés de um plantio de árvores que exigem tempo para fincarem fortemente suas raízes, se fazerem sólidas.

Pois esse é nosso problema. Nossa educação vive aos soluços. A cada quatro anos a nossa escola tem que (re)nascer de um novo tranco. Essa é uma fórmula imbatível para garantir a indigência de nossa educação pública.

Pobre Brasil, pobre brasileiro. Pobres de realizações, ainda que ricos de promessas.

 

 

Wordle deste post:

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: